IAB Campinas

Blog

03
set

Reserva Técnica

É público e sabido que a chamada “Reserva Técnica”, faz parte do cotidiano dos escritórios de arquitetura. Tal prática, por muitas vezes chega até mesmo a suprimir a cobrança de projeto, em detrimento da compra pelos clientes, em locais previamente especificados pelo profissional.

[spacer size=”5″]

A não cobrança do projeto, implica na desvalorização do trabalho do arquiteto, já há muito tempo tidos como supérfluos ou desnecessários.

[spacer size=”5″]

Cabe a nós, bons profissionais, elevarmos nível da profissão e nos posicionarmos perante o mercado e cobrarmos o valor justo pelos nossos serviços.”

[spacer size=”5″]

Arquiteto Fernando Consoni

[spacer size=”5″]

Diretor do IAB Campinas 

[spacer size=”20″]

RESERVA TÉCNICA

Você, que não é arquiteto, conhece o significado da expressão “reserva técnica”? Eu nunca tinha ouvido, pelo menos com o sentido que o termo adquiriu entre essa categoria que aprendi a respeitar na casa de João Batista Villanova Artigas, um dos papas da profissão.

[spacer size=”10″]

Corresponde a uma prática usual no feroz mercado da construção. O profissional indica determinado produto, insumo ou material e ganha uma, digamos, bonificação, do fabricante ou vendedor. Em português claro: recebe uma propina. Ou uma comissão, se quiserem, por ter indicado a marca A em vez da B. O dinheiro vai para a conta do escritório que projetou a obra ou para o bolso do arquiteto e não para seu cliente, que paga a conta, seja ele pessoa física, empresa privada, ou pior, o governo – isto é, nós todos.

[spacer size=”10″]

A boa notícia é que entre oito e nove de agosto, em Brasília, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo – CAU – aprovou o Código de Ética e Disciplina de Arquitetura e Urbanismo. E condenou a reserva técnica à condição de infração.

[spacer size=”10″]

Esse Código é o primeiro resultado efetivo do conselho criado em 2010 – antes, arquitetos e urbanistas gravitavam em torno da entidade que rege engenheiros e agrônomos, permitindo uma ação mais específica. Um dos primeiros filhotes do Conselho é o novo código de ética.

[spacer size=”10″]

O Código parte do princípio de que que arquitetos e urbanistas prestam serviços de caráter intelectual de interesse público e social e como tal, devem priorizar o julgamento profissional erudito e imparcial, reconhecer e defender o conjunto do patrimônio ambiental e cultural e os direitos fundamentais da pessoa humana, entre outros compromissos. Em favor do interesse público, precisam buscar a boa qualidade das edificações e das cidades, que só existe quando se respeita o ordenamento territorial e a inserção harmoniosa no entorno e no ambiente. Afinal, casas e prédios não estão soltos no mundo.

[spacer size=”10″]

A reserva técnica inscreve-se nos termos da Regra 3.17:

[spacer size=”10″] [quote style=”1″]“O arquiteto e urbanista deve recusar-se a solicitar, aceitar ou receber quaisquer honorários, proventos, remunerações comissões, gratificações, vantagens, retribuições ou presentes de qualquer tipo, sob quaisquer pretextos, de fornecedores de insumo aos seus contratantes sejam constituídos por consultorias, produtos, mercadorias ou mão de obra.”[/quote] [spacer size=”10″]

Tem muito mais, mas isso já seria muito. Num país onde médicos são premiados com viagens para congressos em verdadeiros paraísos, (com direito a acompanhante) desde que prescrevam determinados medicamentos e onde licitação pública virou infeliz sinônimo de acerto por baixo dos panos, é um grande avanço.

[spacer size=”10″]

Não é uma revolução, mas nos ajuda a lembrar de Irineu Evangelista de Souza, o barão de Mauá, que empenhou até seus bens pessoais para pagar os credores quando seu banco quebrou. No outro corner está Francisco Inácio de Carvalho, seu contemporâneo. Representante diplomático na Grã-Bretanha, o barão de Penedo vivia num palacete de três andares, perto do palácio de Buckhingham, o endereço mais caro de Londres, em cuja sala de jantar, capaz de receber comodamente 60 pessoas, dava altas festas. Tudo pago com a grana dos financistas britânicos. O barão de Penedo negociou sete dos 11 financiamentos ingleses feitos ao governo brasileiro e cobrava reserva técnica – só não usava o termo.

[spacer size=”10″]

O JABÁ

[spacer size=”10″]

Jornalistas também tem seus pecados. Teve época em que não pagávamos passagens aéreas. Mais recentemente, tínhamos descontos especiais na compra de carros zero. A troco de quê não perguntávamos.

[spacer size=”10″]

FORA DO EIXO Se outras instituições fossem submetidas à lupa que hoje vasculha a ação do Fora do Eixo, melhor seria nosso país.

[spacer size=”10″]

Escrito por Paulo Markun

[spacer size=”10″]

Jornalista profissional desde 1971, já foi repórter, editor, comentarista, chefe de reportagem e até mesmo diretor de redação em emissoras de televisão, jornais e revistas.

[spacer size=”30″]