IAB Campinas

Blog

19
ago

Projeto propõe mudar nome do Paço Municipal

Nomenclatura atual da sede do governo municipal, o Palácio dos Jequitibás, mudaria para Palácio dos Jequitibás Prefeito Ruy Novaes; opiniões divergem sobre o assunto.
Assinado pelo vereador Marcos Bernadelli (PSDB), o projeto foi idealizado por Geovanni Galvão, membro da Associação Reconvivência. Uma das linhas de ação da entidade é resgatar nomes históricos de Campinas e colocá-los em logradouros ou prédios públicos.
Nossa intenção é dar a devida atenção a essas figuras históricas. E reparamos que não tem nada com o nome de Ruy Novaes. Campinas tem uma mágoa com ele que precisa acabar.
Geovanni Galvão, da Associação Reconvivência
O político, que morreu em 2000, foi um dos idealizadores da construção do Paço, inaugurado por ele em 1968. A administração de Novaes, porém, é mais lembrada pela demolição do Teatro Municipal Carlos Gomes, em 1965. Os autores da ideia defendem a gestão de Novaes e afirmam que o município precisa superar a suposta “mágoa” em relação ao ex-prefeito. Representantes de movimentos artísticos da cidade não concordam, e afirmam que não há “contexto” para renomeação do Palácio.
Haviam reuniões com entidades culturais para discutir a demolição do teatro, mas o prefeito não comparecia, mandava o secretário de Cultura. Ele prometeu outro teatro, mas depois saiu do cargo e o equipamento não foi feito até hoje.
José Alexandre dos Santos Ribeiro, da Associação Campinense de Letras – ACL
Para o presidente do IAB Campinas, arquiteto Alan Cury, o reconhecimento ao Prefeito Ruy Novaes é explícito, e está destacado no saguão do Paço Municipal de Campinas – o Palácio dos Jequitibás. A mudança do nome porém, deve ser debatida melhor.
Esta edificação é especialmente importante ao Instituto de Arquitetos do Brasil, pois trata-se da Pedra Fundamental do Núcleo Regional Campinas da entidade. O Prefeito Ruy Novaes, atento à coisa pública, contratou o IAB/SP para promover um Concurso Nacional de Projeto para a nova Sede da Prefeitura, e a ação foi reconhecida de tal forma que fundou-se então, o IAB Campinas.
A banca julgadora foi especialmente designada pelo IAB/SP, para que esta obra fosse íconica às Administrações Públicas de todo o país, e contou com os arquitetos Rino Levi e Afonso Reidy, além do arquiteto campineiro Umberto Aveniente (este, servidor público à época, e presidente da fundação do IAB Campinas). O projeto vencedor foi de Rubens Viana e Ricardo Sievers, que superaram grandes nomes da época.
Importante frizar também que este projeto serviu de fonte inspiradora ao Mestre Oscar Niemeyer, nos projetos de Brasília. Oscar tinha como cliente a construtora de Ruy Novaes (Construtora Ribeiro Novaes), que executou o Edifício Itatiaia. Justamente na entrega desta obra, é que ocorreu o concurso, em 1956. Destacam-se as similaridades conceituais do Projeto, principalmente na repetição de colunas arquitetônicamente atraentes, e no acabamento em granito branco. Os projetos e obras de Brasília ocorreram principalmente entre 1957 (concurso do Plano Piloto vencido pelo Arquiteto Lúcio Costa) e 1960 (Inauguração da nova Capital do País).
Esta história, contada brevemente, demonstra a força daquela época, e a importância de grandes líderes à frente do Poder Público, como certamente foram Ruy Novaes – Prefeito de Campinas entre 1956 a 1959 e 1964 a 1969 e Jucelino Kubitschek – Presidente do Brasil entre 1956 e 1961.
Arquiteto Alan Cury, presidente do IAB Campinas