IAB Campinas

Blog

03
fev

Cidade de lugares, por Roberto Ghione

O conceito de existencialidade define a apropriação dos espaços públicos e a consagração da ideia de lugar como ambiente qualificado pelo uso e desfrute dos moradores de um bairro ou de uma cidade.

[spacer size=”10″]

A construção de lugares em uma cidade é o signo de uma prática urbanística comprometida com a civilidade. Uma sociedade civilizada constrói e usa os espaços públicos para manifestação social, para uso cotidiano, para expressar a cultura do dia a dia tanto como dos eventos que marcam a rotina cultural da cidade. Uma sociedade civilizada constrói o presente com respeito pelas heranças culturais traduzidas em patrimônio arquitetônico e com a consciência do legado que o mesmo significará para as próximas gerações.

[spacer size=”10″] [pullquote align=”left”]As práticas urbanísticas na maioria das cidades brasileiras hoje se empenham na construção de “não lugares” , espaços e edifícios que agridem qualquer intento de estímulo à convivência social,[/pullquote] [spacer size=”10″]

Uma sociedade civilizada procura integrar os diferentes setores com políticas de promoção das classes menos favorecidas e com plena consciência que o bem estar geral provém de um desenvolvimento social justo e inclusivo. Uma sociedade civilizada coloca as pessoas, especialmente aquelas que mais precisam, no centro das decisões políticas e urbanísticas. Uma sociedade civilizada, em definitivo, constrói a cidade para as pessoas, ou seja, uma cidade de lugares.

[spacer size=”10″]

A estratégia para a construção de uma cidade de lugares passa pela promoção do uso misto, a “promiscuidade urbana” defendida por Jane Jacobs mais de 50 anos atrás, com estímulo da presença constante de pedestres nas calçadas e com controle espontâneo do espaço público pela própria vivência das pessoas. Passa, também, pela qualidade conceitual e técnica dos espaços públicos: bons projetos com bons materiais e bem construídos em toda a cidade, desde o centro até os bairros populares. Passa pela construção de edifícios em áreas urbanas carentes que estimulam o desenvolvimento social e cultural e a divulgação do saber e do conhecimento como antídotos contra o crime e a violência.

[spacer size=”10″]

As práticas urbanísticas na maioria das cidades brasileiras hoje se empenham na construção de “não lugares” , espaços e edifícios que agridem qualquer intento de estímulo à convivência social, especialmente na “cidade formal”, projetada e aprovada de acordo com as leis municipais. Resulta contraditório constatar que favelas e bairros populares “informais e ilegais” são as estruturas urbanas que mais tendem a constituir lugares e a estimular o convívio entre as pessoas. A própria necessidade e solidariedade promove sistemas de convivência que, aparentemente, resultam inaceitáveis para a sociedade dita “formal e organizada”, que constrói estruturas defensivas que só estimulam a violência e a marginalidade, sob a conivência do sistema legal de leis de uso e ocupação do solo vigentes.

[spacer size=”10″]

Alguma coisa está muito errada no paradigma de cidade que estamos construindo, a começar pelas decisões acerca da sua configuração serem determinadas não por arquitetos e urbanistas capacitados e comprometidos com a criação de lugares que estimulam a celebração dos espaços públicos – profissionais teoricamente formados para isso -, mas pela burocracia administrativa e setores da sociedade que impõem privilégios e poderes para construir e comprar favores amparados em uma legislação omissa a um conceito de integração urbana e inclusão social. Arquitetos atuam dentro do sistema legal, não como agentes de transformação e de construção, mas como elementos de manipulação de interesses alheios ao conceito de cidade necessária e possível.

[spacer size=”10″]

A consciência acerca da dimensão histórica é outro aspeto negligenciado na construção da cidade contemporânea. A velocidade das transformações solicitadas pela oferta de lucro imediato subordinam as intervenções a tempos de curta duração, que provocam transformações irreversíveis na configuração da paisagem urbana e dos comportamentos sociais em função do interesse de poucos. A necessidade de planejamento de longo prazo e de ações políticas em defesa do interesse geral tornam-se indispensáveis para corrigir os desvios do caminho histórico de construção de uma cidade que promova a vivência e o desenvolvimento físico e social, com a inteligência e a sensibilidade necessárias para criar os lugares estimulantes de um convívio civilizado e promissor.

[spacer size=”10″]
  • Arquiteto Roberto GhioneRoberto Ghione é Arquiteto e Diretor do Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento de Pernambuco (IAB/PE)
  • Instituto de Arquitetos do Brasil / Depto. PE
  • Rua Jenner de Souza nº 130. Derby. Recife/PE CEP 52010-130
  • Fone: (81) 32221576 – www.iabpe.org.br @iabpe www.facebook.com/iabpe
[spacer size=”10″] [spacer size=”10″]