IAB Campinas

Blog

21
fev

A cidade ao redor por Roberto Ghione

Dona de casa insatisfeita, com filhos adolescentes; crianças brincando em quadra de edifício residencial e entre automóveis estacionados na garagem; corretor imobiliário (descendente de família que viveu tempos melhores) apaixonado por mulher aparentemente insegura; adolescentes na descoberta do amor; empregadas domésticas representantes de uma tradição de servidão; familiar da empregada feliz por acessar ao emprego formalizado; flanelinhas, trambiqueiros, entregadores e personagens de rua; homem que resiste em morar em casa sem grades; vigias de rua; imigrantes vindos do interior decadente em busca de tempos melhores; favelado tentando a sobrevivência; senhor de engenho em declínio; familiares do senhor de engenho que tentam perdurar poderes e benefícios extintos, mas que ainda persistem nas consciências de opressores e oprimidos…

[spacer size=”10″]

O filme de Kleber Mendonça Filho O som ao redor” retrata fielmente a classe média de Recife. Os personagens habitam sem pena e sem glória uma cidade reclusa e fechada, em espaços insignificantes como as próprias vidas, como a própria cidade. Os edifícios fechados e defensivos, as casas que ainda resistem à especulação imobiliária, o destino de morar trancado em apartamento, as decorações cafonas, os edifícios caixão, as ruas lotadas de carros durante o dia, desertas e inóspitas às noites refletem vivências cotidianas entediadas e sem graça, temerosas e inseguras, só quebradas pela manifestação de algum habitante de rua que oferece algumas faíscas de criatividade e humor popular, cada dia mais abafadas por uma sociedade careta e formalista.

[spacer size=”10″]

A cidade determina os comportamentos dos habitantes, que modelam o caráter social em função dos espaços que ela oferece. E a oferta é triste: o Recife dos bairros novos, visualizado na tela grande, é menos estimulante que na realidade. As diferenças entre a cidade antiga (nunca mostrada no filme) e a nova são abismais. Resulta difícil imaginar que um povo morando nessas condições tenha a criatividade e a explosão do carnaval. Ou talvez essa explosão seja a reação a tanta rotina e irrelevância. Ou talvez seja manifestação dos bairros populares, com habitantes mais felizes que os da cidade da especulação imobiliária. Um episódio de reunião de condomínio revela a mediocridade e futilidade que determina a vida desses personagens, recriados da própria realidade.

[spacer size=”10″]

O filme só transcorre, em diferentes situações de vida dos personagens. Aponta sutilmente a cultura ultrapassada e persistente de senhores e servos, as rotinas de mandar e obedecer, de determinar ou cumprir resignado o destino traçado por uma sociedade que vive o Século XXI atrelada a conceitos e poderes de tempos passados. Não tem narração explícita. Ele se desenvolve em enredos paralelos, realismos que identificam os moradores da cidade, entre os que se destacam o amor sem final feliz do corretor imobiliário e sua moça, a obsessão (e insatisfação) da mãe que não consegue dormir por causa dos latidos do cão do vizinho e a “invasão” dos vigias que se intrometem na vida dos vizinhos de uma rua.

[spacer size=”10″]

O final, a vingança de um fato antigo, rebarbas de uma época de coronelismo que ainda perdura, retrata um desenlace tão banal quanto as vivências e arquiteturas exibidas. O som da morte é o mesmo som da festa. Tudo se mistura e confunde atrás das grades da vida cotidiana: a violência implícita, a especulação, o consumismo, o medo, o tédio, o racismo, as ameaças, a inveja, a arrogância, a delinquência. Poucas manifestações de felicidade, muito estresse de uma vida pouco merecida nos espaços desolados e pouco estimulantes que oferece a cidade ao redor.

[spacer size=”10″]
  • Arquiteto Roberto GhioneRoberto Ghione é Arquiteto e Diretor do Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento de Pernambuco (IAB/PE)
  • Instituto de Arquitetos do Brasil / Depto. PE
  • Rua Jenner de Souza nº 130. Derby. Recife/PE CEP 52010-130
  • Fone: (81) 32221576 – www.iabpe.org.br @iabpe www.facebook.com/iabpe

 

[spacer size=”10″]